http://jpinheiro.com.br/files/gimgs/th-191_6.jpg
http://jpinheiro.com.br/files/gimgs/th-191_5.jpg
http://jpinheiro.com.br/files/gimgs/th-191_3.jpg
http://jpinheiro.com.br/files/gimgs/th-191_1_v3.jpg

Madona do Gueto, 2020

300 x 900 cm



Projeto especial para M.A.P.A. mostra No Calor da Hora

Av. Pres. Ernesto Geisel, 4391-4265 – Esquina com a Rua Brilhante - Amambai, Campo Grande – MS

Fotos: Henrique Kawaminami

https:https://www.vivaprojects.org/mapa-joaopinheiro

João Pinheiro é um artista etnógrafo, da tradição de Eduardo Coutinho e do Dan Graham, entre tantos outros. A diferença, com relação a esses artistas, é que Pinheiro usa a cultura em que nasceu e está inserido e integrado, para falar dela aos outros, ao invés da soberba etnográfica que coleta e isola observações, para o escrutínio da Razão Ocidental.

Dessa razão iluminista de última hora, Pinheiro recolhe o conhecimento necessário para a auto-afirmação e independência de sua comunidade e dos seus, para a liberdade de seus pares e a demolição das ferramentas de dominação.

Essa inversão, de observador isento da comunidade, para observador interessado das ferramentas intelectuais capazes de libertar seu povo do jugo do opressor, podem tornar muitas vezes o trabalho de Pinheiro algo árduo e inóspito, com poucas possibilidades para a fruição hedonista. Mas, como todo grande artista, essa secura e intelectualismo da obra de Pinheiro é uma opção, resultado de sua visão de mundo. Se não gostou, que passeie pelas paragens edulcoradas da ideologia burguesa. Você não faz falta.

- Rafael Campos Rocha